O Setor Imobiliário surpreendeu os especialistas mais experientes durante a pandemia.

O setor imobiliário surpreendeu os especialistas mais experientes e, durante a pandemia, foi um dos agentes responsáveis por manter a economia brasileira aquecida.

 

De acordo com levantamento realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o mercado imobiliário fez o PIB do segmento subir 4% em 2021, sendo a maior marca registrada desde 2013.

 

Se durante o período de isolamento o consumidor identificou a necessidade de “morar melhor”, agora o questionamento que abrange todo o mercado é se este ainda é um bom momento para investir ou comprar um imóvel.

 

Apesar de alguns desafios que surgem ao longo do caminho, como a elevação dos custos de construção e encarecimento de matéria-prima como, por exemplo, o aço, além da elevação da Selic para 6,25%, determinada na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, a opinião unânime entre os especialistas, investidores e empresários é de que o mercado imobiliário não apresenta sinais de desaceleração e deve se manter em expansão por um longo período.

 

Esse cenário é justificado pelo fato do imóvel sempre ser uma alternativa rentável e contar com um risco menor na carteira de investimentos.

 

Outro fator levado em consideração é a alta demanda por imóveis, seja em São Paulo ou nas demais capitais brasileiras.

 

Isso ocorre porque a procura segue elevada tanto pelas pessoas que têm o objetivo de moradia, como aquelas que simplesmente desejam obter renda mensal por meio do aluguel.

 

De empreendimentos de alto padrão a lançamentos populares, como os do Programa Casa Verde Amarela, a relação entre consumidor e incorporadoras também influencia a estabilidade do setor e o direciona para o lançamento de produtos específicos, que atendam aos mais diversos perfis de públicos.

 

Essas novas tendências vêm sendo mapeadas pelas incorporadoras e, alinhadas à perspectiva de retomada da economia pós-pandemia, são refletidas em lançamentos únicos e exclusivos.

 

Obviamente a alta da Selic até o fim do ano acende alguns alertas no mercado. Um deles é a maior dificuldade dos compradores conseguirem  a concessão de crédito imobiliário.

 

Porém esse aumento ainda está em um nível muito abaixo do período em que a Selic atingiu patamares acima de 14%.

 

Por ora, com a reabertura do mercado pós-pandemia, o momento ainda é amplamente favorável para o investimento em imóveis, seja para moradia, investimento ou para fonte de renda.

 

Nos próximos meses, novos lançamentos prometem manter o setor bastante aquecido e despertar ainda mais o interesse dos consumidores e investidores.

 

Fonte: O comércio

Verde

Solicite uma simulação

Rekk Copyright @ 2021

Nosso site utiliza Cookies para melhorar a sua experiência de navegação.